Epagri assume Campo Experimental de Piscicultura na Serra

Estão sendo investidos R$ 284 mil emnas reformas e adequações da infraestrutura (Pablo Gomes/ADR Lages)

A Epagri assumiu um dos espaços mais privilegiados para estudos sobre a natureza e desenvolvimento de produção rural no Brasil. Trata-se da Base Avançada de Pesquisa do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), situada no município de Painel, que estava parada há três anos.

A cerimônia de transferência do patrimônio aconteceu no dia 1o de agosto, com a presença do governador Raimundo Colombo e de outras autoridades estaduais e regionais. A estrutura recebida pela Epagri passou a funcionar como o Campo Experimental de Piscicultura da Serra Catarinense, subordinado ao Centro de Desenvolvimento em Aquicultura e Pesca (Epagri/Cedap).

Localizado no Km 242 da SC-114, às margens da rodovia, a área de 19 hectares – o equivalente a 190 mil metros quadrados – foi inaugurada há 32 anos, em março de 1985, como Estação Nacional de Truticultura da Superintendência de Desenvolvimento da Pesca (Sudepe), órgão vinculado ao Ministério da Agricultura.

Ao longo do tempo, foi utilizada também para outras funções, como sede da Polícia Militar Ambiental de Lages, entre 1998 e 2006. Posteriormente, abrigou a Base Avançada de Pesquisa do Ibama, que realizou atividades de repovoamento alevino de espécies nativas, proteção a animais silvestres e programas de educação ambiental até 2014, quando entrou em desuso.

Segundo o presidente da Epagri, Luiz Hessmann, o local serviu durante muitos anos como uma fonte de criação e distribuição de alevinos para toda a região, fomentando a cadeia produtiva de truta e de outras espécies.

Investimento

O investimento inicial, de R$284 mil está sendo aplicado nas reformas e adequações na infraestrutura. Paralelamente, os técnicos da Epagri estudam as espécies que serão trabalhadas no local, bem como a quantidade de produção.

A partir do próximo outono, no segundo trimestre de 2018, quando começar a reprodução natural dos peixes, a Serra Catarinense contará com um dos mais completos centros de piscicultura do País.

“A cadeia produtiva vem crescendo, e a indústria está carente. Esse novo espaço contará com doutores e especialistas que, por meio de pesquisa e extensão rural, proporcionarão uma nova e importante alternativa de renda aos produtores da região”, diz o responsável técnico pela unidade e pesquisador da Epagri, Vilmar Francisco Zardo.

Os integrantes da Associação dos Município da Região Serrana (Amures) produzem, a cada ano, 250 toneladas de truta. Segundo Vilso Isidoro, presidente da Associação Catarinense de Truticultores (Acatruta), os maiores produtores da Serra Catarinense são Painel, Bocaina do Sul, Urupema, Urubici e Bom Jardim da Serra.

(Publicado em Vol. 30, nº3, set./dez. 2017)